segunda-feira, 18 de julho de 2011

Iphan debate Educação Patrimonial no Festival de Inverno de Ouro Preto

Foto: Marcelo Tholedo



Colocando a educação como um processo de desafio permanente, o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, Luiz Fernando de Almeida, abriu o II Encontro Nacional de Educação Patrimonial, em Ouro Preto, Minas Gerais. Segundo ele, “esse desafio é para todas as áreas e não apenas para o campo da cultura. O Iphan é parceiro às três esferas governamentais, além de ONGs, instituições privadas e representações da sociedade civil no processo de incentivar na população a valorização da cultura”. Também participaram da mesa de abertura a diretora do Departamento de Articulação e Fomento – DAF/Iphan. Márcia Rollemberg, o superintendente do Iphan em Minas Gerais, Leonardo Barreto, o prefeito de Ouro Preto, Ângelo Osvaldo, e o reitor da Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP, João Luís Martins. O II Encontro Nacional de Educação Patrimonial reúne, ainda , representantes de todas as superintendências do Iphan, do Sítio Roberto Burle Marx, do Centro Nacional de Arqueologia ed o Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular.


O encontro, cujo tema é Estratégias para a construção e implementação de uma política nacional, segue até o próximo dia 22 Centro de Artes e Convenções da UFOP, e faz parte da programação do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana. O objetivo é pactuar estratégias para uma política nacional de Educação Patrimonial, como parte da estratégia para a consolidação do Sistema Nacional do Patrimônio Cultural. A presença de vários setores da sociedade será também uma oportunidade de fortalecimento de uma rede diversificada de profissionais, instituições públicas e privadas, estudantes e grupos da comunidade capaz de multiplicar ações de valorização do patrimônio cultural brasileiro como elemento chave para a identidade nacional e sociedades sustentáveis.


O encontro é promovido pelo Iphan em parceria com a UFOP e inaugura a participação do Iphan na Curadoria de Patrimônio do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana, por meio da Casa do Patrimônio de Ouro Preto. Além do Encontro, o Iphan oferecerá uma seleção de oficinas, instalações e exposições que contemplam a diversidade cultural e oferecem ao público a possibilidade de vivenciar e refletir sobre as questões referentes ao patrimônio cultural brasileiro.

Um comentário:

  1. Prezados, segue uma mensagem que estamos divulgando às comunidades científicas, à nossa vizinhança que fica no Subúrbio do Rio de Janeiro e aos amigos. Estamos divulgando também na imprensa.
    Gostaria de contar também com a participação de vocês.
    Segue a mensagem, agradeço desde já a atenção,

    O IAB - Instituto de Arqueologia Brasileira, instituição com 50 anos de existência, ocupa há 37 anos, através de acordo com o Governo do Estado, a Casa do Capão do Bispo. É um bem histórico - século XVIII - tombado pelo IPHAN e de propriedade do Estado, situado na Av. Dom Hélder Câmara 4616, Del Castilho, entre o Norteshopping e a Catedral da Igreja Universal. Ao longo destes anos, a Casa virou em um centro de pesquisas e de formação de pesquisadores. Foram sempre os pesquisadores do IAB que cuidaram da Casa, com nenhuma ou pouquíssima ajuda do Estado. A Casa só está de pé por causa deles! Recentemente eles foram "intimados" pelo Estado a desocupar o local, com prazo até 31/08, sem que tenha sido apresentada uma razão concreta para tal e sem expor qual será o destino da Casa, apenas dizendo que irão reformar o local e que o Estado não tinha mais interesse que o IAB continuasse ali. Absurdo, ainda mais sabendo que a "solicitação" partiu da Secretaria de Cultura!. Trata-se de uma situação de extrema injustiça e que, efetivada, trará consequências profundas. As perguntas que não querem calar:
    1) porque agora, que vão fazer a reforma, querem que quem sempre cuidou da Casa saia dali?
    2) o que vão fazer com a Casa? A região sofre uma explosão imobiliária, com arranha-céus por todos os lados!
    Existe um movimento pela permanência dos pesquisadores na Casa, inclusive a petição "Abaixo-assinado desocupação da Casa de Fazenda do Bispo", no link:
    http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N12164 ou no blog http://arqueologiacapao.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget