quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Olhares (Im)possíveis: um filme-carta para a E.M. Monsenhor João Castilho Barbosa

No muro branco, a tinta. No cotidiano das cidades, vozes que tanto gritam e não se ouve. O material e o imaterial numa contraposição que evoca sentimentos individuais, debates calorosos e provoca as mentes e olhos que leem. A cultura da paz, o desejo pela paz, a liberdade exercida em paz. Grafitte: tema escolhido pela turma do 9º ano da Escola Municipal Monsenhor João Castilho Barbosa para ser trabalhado no filme-carta, produção colaborativa que marca o encerramento de mais uma oficina Olhares (Im)possíveis, ofertada pelo programa Sentidos Urbanos.

Dos encontros que aconteceram com essa turma, muitos afetos ficam registrados nesse vídeo. Dos silêncios que se fizeram presentes nos primeiros dias, ao grito necessário e urgente por uma outra escola. Uma escola que se paute na realidade daqueles que a constroem cotidianamente, enfileirados em suas carteiras. EMMCB Grafitte, é um filme-carta que tem como narrativa um pedido: um muro na escola que possa receber uma arte. Mas, antes disso, é um pedido por representatividade e espaços de autonomia. Se tem algo que aprendemos com o movimento de ocupações que tomou conta do Brasil no ano de 2015, é que ninguém melhor do que os estudantes para dizer sobre a escola em que estudam. Logo, as decisões sobre ela devem, antes de tudo, passar pelo diálogo com eles. Eles que na verdade não estão em silêncio, só estão a dizer pelas entrelinhas. 

Fica nosso agradecimento à Escola Municipal Monsenhor João Castilho Barbosa, à professora Rosângela e à equipe do Pibid História por confiar em nosso trabalho e nos permitir mais essa experiência. E vocês podem acompanhar aqui o resultado desse processo que exemplifica a razão de separarmos o prefixo (im) das possibilidades. 

domingo, 19 de novembro de 2017

Programa Sentidos Urbanos realiza ação na Semana do Aleijadinho

Na manhã da última terça feira, 14 de novembro, a equipe do programa Sentidos Urbanos: patrimônio e cidadania realizou uma ação especial na quadragésima Semana do Aleijadinho. Partindo do tema central da semana: As manifestações da cultura popular ouro-pretana; foi idealizada a ação As mãos que transformam: artistas e artesãos do bairro Antônio Dias. A atividade aconteceu na Escola Estadual Marília de Dirceu, com as turmas do quarto e do quinto ano. O objetivo desta ação era o resgate do trabalho realizado pelo escultor e pintor Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, para fazer uma relação com os trabalhos realizados pelos artistas que atuam no bairro Antônio Dias. Com este intuito, a primeira atividade realizada foi uma breve contação de histórias sobre Aleijadinho; os mediadores trouxeram algumas informações históricas acerca do artista, e os estudantes disseram o que sabiam sobre ele. Depois, as crianças foram convidadas a conhecer as galerias e os artistas que trabalham no bairro.
Para visitar as galerias, os estudantes foram divididos em pequenos grupos, sendo que cada grupo visitou uma galeria específica. Confira:



segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Olhares (Im)possíveis: andamento das atividades


Mais uma semana de trabalho intenso marca as atividades da oficina Olhares (Im)possíveis. A ação é desenvolvida, atualmente, em dois espaços da cidade de Ouro Preto. Na Fundação de Artes de Ouro Preto (FAOP) e na Escola Municipal Professor Adhalmir Santos Maia.

A turma do curso Circuitos Museológicos, da FAOP, assistiu ao resultado da atividade realizada no encontro do dia 25/10, o Minuto Lumière. Este encontro foi importante para começarmos a introduzir um caminho mais técnico a respeito da linguagem audiovisual.  Os participantes já demonstram muita familiaridade com o vídeo e, analisando os minutos realizados, podemos perceber que criatividade é o que não falta para essa galera. 

Já na Escola Municipal Adhalmir Santos Maia, o último encontro foi de intenso trabalho. A turma do 5º ano fotografou as colagens que haviam produzido nos encontros anteriores, nas quais trabalhávamos os sonhos. A intenção é que essas imagens sejam editadas nos encontros seguintes. Essa galerinha dispensa comentários. Já estão em uma segunda fase da oficina e estão íntimos do universo da produção não verbal.  

domingo, 12 de novembro de 2017

Roteiro Sensorial com calouros de Turismo


Nem mesmo a chuva foi suficiente para atrapalhar os roteiros sensoriais ofertado para a turma do primeiro período do curso de Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto. A ação faz parte da ementa criada pela professora e coordenadora pedagógica do Programa Sentidos Urbanos, Kerley dos Santos Alves, para a disciplina Percepção e Interpretação do Patrimônio Ambiental Urbano. A turma foi dividida em dois roteiros diferentes. Um no bairro Antônio Dias, saindo da Praça Tiradentes e outro no bairro Rosário, passando pelos becos até a Ponte Seca. 
 

A experiência foi muito boa. Apesar da chuva, muitos dos estudantes participaram da ação e contribuíram com suas observações e percepções a respeito da cidade. Muitos deles passaram por lugares que antes ainda não haviam passado, outros trouxeram contribuições relacionadas à vivência como morador nascido e criado na cidade. Acreditamos que muitos saíram com outras impressões sobre a cidade e que o exercício de senti-la se mantenha na prática cotidiana.   Confira algumas fotos de como foi essa ação. E fique ligado no nosso blog! 


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Encerramento Poéticas e Moradas na E.M. Adhalmir Maia

Nesta última quarta-feira, 8, encerramos mais uma oficina Poéticas e Moradas, com os estudantes de duas turmas de 4º ano da Escola Municipal Professor Adhalmir dos Santos Maia. Trabalhamos nos cinco encontros o teatro educação como meio e fim para se pensar o patrimônio cultural.

Tendo em vista que cada sujeito carrega em si determinadas referências culturais a partir de sua experiência no mundo , abordamos estas referências de forma descontraída a partir de jogos teatrais, exercitando o olhar crítico sobre os contextos que os cercam. Através de jogos de improvisação os estudantes puderam elaborar cenas teatrais que tinham como  mote o patrimônio que cada um carrega consigo. Sem dúvida com essa oficina pudemos reafirmar a potencialidade do teatro como fórum social e empoderamento dos sujeitos ao refletirem sobre sua realidade. Confira abaixo: 





Jogo HQ-História em quadrinhos


Apresentação final de um dos grupos

A plateia comenta as cenas









terça-feira, 7 de novembro de 2017

Olhares (Im)possíveis recebe Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos

Vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos. Foto: AMAERJ

Com o pretexto de ser uma oficina de audiovisual que desperte o olhar dos participantes para a cidade, a Olhares (Im)possíveis é uma das ações desenvolvidas pela equipe do Sentidos Urbanos. A metodologia é fruto da pesquisa do jornalista e mestrando do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto, Arthur Medrado. O vídeo, dispositivo que exige reflexão constante. A construção de imagens, contínua possibilidade de leituras. O encontro: ocasião na qual ocorre a troca, a coletividade e a ação humana.
A partir dos encontros, surgem diálogos, impressões, desabafos e incômodos. E nessa série de sentimentos que se confluem, o que muitas vezes se cala, materializa-se. Em postais, mapas afetivos, filmes. Ou no minuto antes de se gritar "gravando" e o silêncio dá espaço as palavras (im)possíveis de se alcançar pela fala. Por essa característica: de priorizar o encontro e a troca, a iniciativa se destaca e foi a terceira colocada no Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos, na categoria Práticas Humanísticas. 
Baseada na cartilha do projeto Inventar com a Diferença, que defende e aponta caminhos para a inclusão da linguagem audiovisual na educação, a oficina já atingiu escolas de Ouro Preto e Mariana. Com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional (Iphan), a ação faz parte das atividades desenvolvidas pela Casa do Patrimônio de Ouro Preto por meio do Programa Sentidos Urbanos. Todo esse reconhecimento é resultado de um trabalho que é feito com dedicação e, principalmente, muito amor. Por si e pelo outro. Para a nossa equipe é uma satisfação fazer parte de projetos como este. Para conhecer melhor a oficina, assista a reportagem produzida pela equipe da TV UFOP, sobre o andamento das atividades na Escola Municipal Adhalmir Santos Maia, em Ouro Preto. 


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Poéticas e Moradas: Mais um dia de atividade na E. M. Adhalmir Maia

A equipe do Programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania retornou à Escola Municipal Professor Adhalmir Maia, na última quarta-feira, dia 1 de novembro, com a oficina Poéticas e Moradas.  A ação caminha para a reta final, por este motivo foram propostos jogos teatrais que fizessem com que os estudantes conseguissem formular micro-cenas. Confira na nossa galeria de imagens como foi nosso encontro com os estudantes do quarto ano da E. M. Adhalmir Maia:





Ocorreu um erro neste gadget